Uma análise do perfil de trabalhadores da construção naval nos mapas estatísticos do Ministério da Marinha do Império do Brasil (1847-1875)

Contenido principal del artículo

Diego Schibelinski

Resumen

Pouco se sabe acerca dos sujeitos que atuaram na construção e manutenção de embarcaçãoes. Visando contribuir à superação de tal déficite, o artigo a seguir, ao produzir uma história vista de baixo, buscou compreender quem foramos trabalhadores que, no Brasil de meados do século XIX, atuaram no setor da construção naval como carpinteiros da ribeira e calafates. Para tanto, tomou-se como fonte principal um conjunto de mapas estatísticos, produzidos e publicados pelo Ministério da Marinha do Brasil entre os anos de 1847 e 1875, que recenseavam a força de trabalho empregada nas fainas marítimas em território nacional. Esses censos foram reunidos, transcritos e tabulados, permitindo a apreensão de informações relacionadas ao tamanho, configuração e variação de perfil dos grupos de trabalhadores que atuaram como construtores navais.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Schibelinski, D. (2022). Uma análise do perfil de trabalhadores da construção naval nos mapas estatísticos do Ministério da Marinha do Império do Brasil (1847-1875). Trabajos Y Comunicaciones, (55), e166. https://doi.org/10.24215/23468971e166
Sección
Dosier: História social dos trabalhadores do mar

Citas

Alencastro, L. F. (2000). O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras.

Bissigo, D. N. (2017). O lugar dos africanos na estatística brasileira do século XIX. Afro-Ásia, (56), pp. 41-81. doi: https:8//10.9771/aa.v0i56.22098

Borba, F. M. (2014).Arqueologia da escravidão numa vila litorânea: vestígios negos em São Francisco do Sul. Joinville: Univille.

Brasil. (1845). Decreto no. 358, de 14 de agosto de 1845. Autoriza o Governo a estabelecer capitanias de Portos nas províncias marítimas do Império. Coleção das Leis do Império, 1845, tomo VII, parte I. Typographia Nacional: Rio de Janeiro.

Brasil. (1847). Decreto no. 447, de 19 de maio de 1846. Manda pôr em execução o regulamento para as Capitanias dos Portos. Coleção das Leis do Império, 1846, tomo IX, parte II. Typographia Nacional: Rio de Janeiro.

Debret, J-B. (1835). Voyage pittoresque et historique au Brésil. França: Firmin Didot Frères.

Espíndola, A. M. (2013). Domingos e Domingas: escravidão e liberdade na freguesia de Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão da Ilha (1830-1880) (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis.

Hobsbawm, E. (2013). A história de baixo para cima. In.: Sobre História (pp. 280-300). São Paulo: Companhia das Letras.

Lacerda, D. P. (2016).Trabalho, política e solidariedade operária: uma história social do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro(c. 1860 ñ c. 1890) (Tese de doutorado) Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas. Recuperado do repositório institucional (http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321976).

Ministério da Marinha. (1843). Proposta do ano de 1843 a 1844 apresentado à Assembleia Geral Legislativa na 1ª sessão da 5ª legislatura, pelo Ministro Francisco Vilela Barbosa. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional.

Ministério da Marinha. (1846). Relatório da repartição dos negócios da Marinha apresentado à Assemblea Geral Legislativa na 4ª sessão da 6ª legislatura pelo Ministro e secretário d’Estado Antônio Francisco de Paula e Holanda Cavalcanti d’Albuquerque. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional.

Momesso, B. P. (2007).Indústria e trabalho no século XIX: o Estabelecimento de Fundição e Máquinas de Ponta d’Areia (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas, Niterói.Recuperada do repositório institucional (https://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-2007_MOMESSO_Beatriz_Piva-S.pdf)

Portela, R. D. (2012). Pescadores na Bahia do Século XIX. Dissertação (dissertação de mestrado). Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador. Recuperada do repositório institucional (https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11626).

Rediker, M. (2011). O navio negreiro. uma história humana. Trad. Luciano Vieira Machado. São Paulo: Cia das Letras.

Rodrigues, J. (2005). De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras.

Santos Jr., E. N. (2017). Das bordas ao centro: a criação da Capitania do Porto da Corte e a concorrência de poderes entre diferentes níveis de poder no Impériobrasileiro (1845-1854). Trabalho apresentado no XXIX Simpósio Nacional de História, Brasília, 24 a 28 de julho.

Scheffer, R. C. (2005). A presença escrava nos censos populacionais de Santa Catarina (1840-1888). Trabalho apresentado no XXIII Simpósio Nacional de História. Londrina.

Schibelinski, D. (2020). Trabalhadores de um mar sem fim: a capitania dos portos e a experiência laboral de marítimos, pescadores e construtores navais. Santa Catarina, c.1840- c.1870 (dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis.